sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Dicas de Patch

Diariamente eu recebo e-mails e/ou mensagens com dúvidas sobre como começar a trabalhar com artesanato, particularmente com costura, onde fazer curso, onde comprar, como calcular preços etc. Dai pensei que essas dúvidas atingiam muitas pessoas, e de repente, poderia tentar ajudar transformando essas dúvidas em posts aqui. 

Assim, quem sabe ajudasse algumas pessoas que pudessem ter as mesmas dúvidas. Eu mesma, quando comecei a trabalhar com artesanato não sabia nada! Nem pegar numa agulha. Imagina que há sete anos minha profissão era web-designer e professora de informática. 

Quando comecei, por conta de uma gravidez complicada que me impedia de trabalhar fora, fazia tudo a mão, o tudo, na verdade, eram uns poucos móbiles de coração. Depois meu marido, que sabe desenhar, começou a conceber alguns design de bichinhos e eu adaptava pro tecido e costurava à mão.

A internet veio muito depois, inicialmente rodava atrás de feiras de artesanato, tudo que era canto me metia, aos poucos fui aprendendo a identificar onde era bom, onde era golpe, etc. Foi assim que consegui ficar na feira de Laranjeiras e na do Lavradio, quando elas também estavam começando, hoje, fechadas para novos artesãos não são nem sombra do que eram no passado. 

Desisti da Lavradio depois de amargar sábados inteiros sem vender uma única peça e mais recentemente, também sai de Laranjeiras, pelo mesmo motivo. Infelizmente, o artesanato é muito pouco valorizado no nosso pais e muita gente acaba preferindo os produtos industrializados, ao artesanal.

Quando o meu filho nasceu, tive que diminuir o ritmo, afinal, não podia ficar carregando ele por ai. Mesmo assim, continuei indo para essas duas feiras, que só funcionavam aos sábados.

A costura à máquina veio há cerca de sete anos, eu estava produzindo muitas coisas novas, e minhas mãos estavam começando a dar sinais de desgaste - tenho tendinite por conta de um acidente e a costura à mão estava piorando as coisas.

Não sabia costurar nem uma linha reta quando compramos a máquina, mas estava determinada a aprender, e fui estudando o manual dela, pesquisando na internet que fui aprendendo a mexer, no início, poucas coisas saíram direitas, mas a prática e a insistência foram fazendo a diferença.

A loja aconteceu por conta de um conselho da amiga, Fernanda Reali, que sugeriu que eu deixasse o Flickr só para mostrar as coisas, mas implementasse um sistema de vendas, foi assim que criei a Bichos de Patch e com o uso das redes sociais, fui fazendo um trabalho de formiguinha, divulgando, fazendo promoções, sorteios, etc dessa maneira,  apresentamos nosso trabalho a mais pessoas.

Outra coisa é o respeito, educação, carinho ao lidar com quem chega, independente de comprar ou não e na confecção das peças. Saiba que muita gente faz a mesma coisa que você. Com o advento da internet, difícil ser exclusivo, mas se soubermos imprimir nossa marca na peça - um detalhe extra, um excelente acabamento, um carinho a mais, tenha certeza, seu produto se tornará único, exclusivo e garantirá a fidelidade do cliente.

Enfim, para quem quer trabalhar com artesanato,  manter o pé-no-chão é fundamental. Não criar ilusões de dinheiro fácil ou rápido. Se for esse seu objetivo, esqueça o artesanato. O dinheiro não vem fácil e o trabalho é duro. Mas, cada vez que um cliente seu elogia sua peça, cada vez que uma pessoa se encanta com o que você faz, ah, isso compensa tudo! Dá novo ânimo e a certeza de que fez a escolha certa!

Agora que você já me conhece mais um pouco, saiba que todo sábado vai ter uma coluna onde vou responder algumas dúvidas. Se quiser perguntar algo, manda e-mail pra mim: patricia.daltro@gmail.com. 
Essa coluna, além de responder suas dúvidas, também terá dicas e alguns pulos do gato que sete anos na estrada me permitem revelar. 

Sábado que vem vamos fazer um tour pelo Rio de Janeiro, mas um tour diferente, vamos conhecer as lojas de tecido, onde comprar, quais as lojas mais baratas, etc 

Aproveita e curte Bichos de Patch no Facebook e assina nosso feed. 

2 comentários:

Renata disse...

Oi Patrícia!

Parabéns pela sua história, pela sua luta e pela sua iniciativa de dividir o que sabe.
Sucesso.

beijos, Renata
palpitandoemtudo

luallessi disse...

Bela história e boas falas principalmente pra turma que está começando no artesanato entender que muitas vezes a parte de fazer uma peça pode ser a parte mai simples do trabalho de uma artesã.

Realmente em alguns lugares, caso do Brasil, artesanato não é muito valorizado embora eu perceba que hoje é mais divulgado e mais apreciado embora o povo prefira o industrial chinês que é mais barato simplesmente porque é mais barato, mesmo achando que a peça é inferior ou sabendo que as costuras não vão durar ao contrário do que acontece quando o produto artesanal é de uma artesã caprichosa.
Mas qualquer paninho vagabundo, só porque é baratinho, povo se anima a comprar e fica comparado com o produto feito a mão que eles acham que é muito mais caro...

E internet é legal pra artesanato...mas pra quem está começando, se não tiver uma boa rede de amigos, fica complicado. Vejo muita gente postando seus trabalhos e no lugar do povo perguntar 'quanto sai?' estão sempre pedindo 'tem PAP???'. Pra quem está aprendendo a costurar sozinha, internet é ótima, mas pra quem quer começar a vender, complica :)

Abraço e continue com suas artes fofas!